Início Destaques Bruno Covas tem diagnóstico de câncer e inicia quimioterapia

Bruno Covas tem diagnóstico de câncer e inicia quimioterapia

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, teve um câncer diagnosticado e deve iniciar a quimioterapia até amanhã (29/10), segundo a equipe médica que o atende no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo. De acordo com eles, o tumor está concentrado na cárdia, porção que liga o esôfago ao estômago, e possuiu duas outras lesões: no fígado e linfonodos.

De acordo com o médico David Uip, que coordena a equipe médica que atende Covas, o tumor foi identificado precocemente e a boa saúde de Covas e o fato dele ser jovem aumentam suas chances de recuperação. Segundo o médico, Covas está bem, sem dor e disposto para o tratamento.

Covas não vai se afastar de suas funções na Prefeitura de São Paulo nesta etapa do tratamento. Segundo Uip, o prefeito afirmou que tem a responsabilidade de se manter no cargo enquanto for possível e terá responsabilidade de deixa-lo se necessário.

Pelas redes sociais, Covas agradeceu o apoio. “Não tenho dúvidas que vou vencer esse desafio. Quero agradecer as centenas de mensagens que tenho recebido de inúmeras pessoas. Ajuda muito a atravessar a tempestade”, disse.

Tratamento

Os médicos devem iniciar até esta terça-feira o tratamento quimioterápico, que deve ser repetido a cada duas semanas. Em seis a oito semanas será possível avaliar a eficácia da estratégica e programar os próximos passos.

Covas está internado desde a última quarta-feira (23/10), quando deu entrada no hospital com diagnóstico de erisipela e suspeita de trombose venosa profunda, hipótese depois confirmada por exames. Além disso, o prefeito apresentou um tromboembolismo (quando um coágulo se desloca de alguma região do corpo para o pulmão) bilateral, ou seja, nos dois pulmões.

Foi investigando as causas do tromboembolismo, que não é comum em pessoas com a idade do prefeito, que os médicos iniciaram exames que culminaram no diagnóstico do câncer. Na noite de domingo, Covas realizou uma laparoscopia para avaliar a extensão das lesões na cavidade abdominal e outros órgãos. Segundo o médico Raul Cutait, responsável pelo procedimento, não foram encontradas novas lesões.