Início Artigos Cuidar, proteger, inovar

Cuidar, proteger, inovar

Bruno Covas

Háexatamente um ano, ao assumir a Prefeitura de São Paulo, declarei que me sentia em dívida com a cidade. Aqui passei minha juventude, aprendi com meu avô a gostar de política, fiz grandes amigos, cursei duas faculdades e tive a bênção de ser pai.

Como se fosse pouco, São Paulo ainda me deu dois mandatos de deputado estadual, um de federal e um de vice-prefeito. Em 12 meses como prefeito, tenho muito orgulho de tudo o que foi feito, mas guardo uma certeza ainda maior que minha dívida ainda não foi quitada. Não foi pouco o que fizemos, mas está longe de ser o suficiente. São Paulo merece muito mais.

E, depois de um ano, podemos dizer que essa dívida será saldada. Nesse período, com todas as crises que abalaram a cidade e o país (desabamento de prédio no centro, greve de caminhoneiros, ruptura de viaduto, enchentes…), obtivemos conquistas importantes.

Vamos apenas resumir algumas que nos permitem hoje sonhar com dias melhores. Tivemos de renegociar contratos, enxugar despesas e cortar custos desnecessários. E tudo isso sem comprometer os serviços básicos e as áreas essenciais.

Reduzimos o déficit da Previdência municipal, corrigimos distorções no IPTU, economizamos R$ 400 milhões na parcela dos empresários no vale-transporte e reduzimos em R$ 550 milhões as despesas com os contratos de varrição. Também conseguimos digitalizar 94% dos processos da prefeitura, com uma redução de até 90% nos prazos de tramitação e uma economia de R$ 2 milhões por ano
.
Por outro lado, o sucesso com o maior Carnaval de rua do paísmovimentou R$ 2,1 bilhões, com um aumento de 6,8% para 30,2% no número de turistas. A nova licitação dos ônibus deve render mais R$ 70 bilhões nos próximos 20 anos. Da mesma forma, o maior plano de desestatização do país começa a trazer os primeiros frutos.

Já foram abertos os envelopes para as concessões do Pacaembu (R$ 118,1 milhões), do parque Ibirapuera (R$ 70,5 milhões) e do mercado de Santo Amaro (R$ 31 milhões). Todos contratos altamente lucrativos para a cidade. No Pacaembu, o ágio foi de 200%; no Ibirapuera, a oferta vencedora foi 3.300% maior do que o valor mínimo; e, nos mercados, o ágio chegou a 400%. Ainda neste ano teremos a entrega das propostas para o complexo do Anhembi.

A partir dessas conquistas, pudemos avançar em áreas essenciais, como educação e saúde. Hoje, a rede municipal de ensino já conta com 1 milhão de alunos, uma fila zerada na pré-escola e outra reduzida em 69% para creches.

Na saúde, já alcançamos 26,2 milhões de consultas e 5,8 milhões de exames de imagem por ano. Iniciamos ainda o projeto “Descomplica”, no padrão Poupatempo, que oferece 360 serviços ao cidadão.

O projeto-piloto em São Miguel Paulista, na zona leste da cidade, já atendeu mais de 260 mil pessoas, com tempo médio de 8 minutos de espera e 99% de satisfação. Já o “Empreenda Fácil” reduziu o tempo de abertura e licenciamento de empresas de 100 para 5 dias. Com isso, 113 mil empresas foram abertas, e São Paulo subiu 36 posições nesse ranking mundial.

Tudo isso é gratificante, mas representa apenas metade do caminho. Se até agora conseguimos fazer mais com menos, nos próximos 21 meses nossa obrigação será fazer mais do que o cidadão espera e a cidade merece. Nossa atuação será pautada por três obsessões: cuidar da cidade, proteger as pessoas e inovar na gestão e na vida do cidadão. Onde a cidade demandar e o cidadão precisar, a prefeitura estará presente.

Não se trata de promessas vagas ou planos de intenção. Tudo o que fizemos até agora foi para chegar nesse momento. Pela primeira vez, política pública e recursos estarão na mesma planilha. São princípios que vão determinar 36 objetivos estratégicos. E cada objetivo será desdobrado em obras e serviços, que somarão 71 metas. Todas com recursos determinados.

Um desafio enorme, mas à altura dessa cidade fantástica, do seu povo maravilhoso e da minha eterna gratidão. Obrigado, São Paulo! Por tudo o que já me deu e pela oportunidade de agora retribuir, trabalhando por uma cidade mais limpa, justa, organizada e digna de quem nela mora.