Início Artigos Responsabilidade compartilhada contra a covid

Responsabilidade compartilhada contra a covid

Por Duarte Nogueira

Prefeito de Ribeirão Preto

Na última terça-feira, dia 09, na abertura de entrevista coletiva que concedemos à imprensa, para falar sobre a covid-19, fiz alguns alertas sobre a situação deste momento de crescimento linear da doença, com o aumento constante do número de casos positivos e, consequentemente, ampliação da ocupação dos leitos destinados ao tratamento da doença, de forma intensiva.

Chegamos a ultrapassar os 80% de ocupação dos leitos de UTI para covid, mesmo com o número de leitos chegando a quase o dobro do que tínhamos no mês passado. O principal alerta – e apelo – que fiz foi para a necessidade de responsabilidade compartilhada na prevenção e obediência aos protocolos, para que possamos reduzir a transmissão.

Também na terça-feira, no período da manhã, me reuni virtual­mente com representantes da saúde, de setores econômicos da cidade e Ministério Público Estadual, acompanhado dos secretários Sandro Scarpelini (Saúde), Antônio Daas Abboud (Governo) e Ricardo Aguiar (Casa Civil). Também nesta reunião o objetivo foi reforçar a necessidade de nos anteciparmos aos problemas graves que o cresci­mento de casos e aumento de ocupação dos leitos hospitalares pode representar brevemente. Temos como meta mobilizar toda a cidade, com a ajuda de todos os setores, para a prevenção ao coronavírus.

É importante que todos os segmentos da sociedade colaborem de forma conjunta para a contenção da doença. Felizmente, no mesmo dia as entidades começaram a se movimentar no sentido de ampliar a divulgação da necessidade de prevenção e a mostrar que a respon­sabilidade é de todos os habitantes, que precisam ter maturidade para reconhecer que a causa da prevenção é compartilhada, porque é res­ponsabilidade de toda a população. Não adianta aumentar o número de leitos se os casos seguem em crescimento e em proporção maior que os recursos necessários ao aumento de leitos e serviços médicos.

Durante a entrevista coletiva também anunciamos a antecipa­ção da vacinação dos idosos com idade acima de 85 anos para esta quinta-feira. Ainda na terça-feira abrimos os canais de agendamen­to para estas pessoas. Esta é uma de nossas ações para o combate à covid-19, mas estamos limitados ao número de doses que são distribuídas por outras instâncias de governo.

Nosso desejo é fazer a vacinação no menor período de tempo possível, para salvar mais vidas, mas esta é uma variável que não controlamos nos municípios. Nosso trabalho é para conseguir o maior número de vacinas no mais curto espaço de tempo. Entretanto, não somos produtores e nem importadores das doses.

Vamos cuidar com afinco das variáveis que estão sob nosso controle. Podemos inclusive levar a cidade para a fase vermelha sem a determinação do governo estadual, se entendermos ser esta a necessidade para proteger a saúde e a vida das pessoas. Antes, no entanto, estamos trabalhando na prevenção para a redução de ca­sos, com ênfase na comunicação. Como comunicação é repetição, convocamos os setores a repetir conosco que todos os cidadãos devem obedecer aos protocolos estabelecidos de usar máscaras, higienizar as mãos constantemente e, principalmente, evitar aglo­merações de toda ordem.

E o entendimento de todos é fundamental, porque não é possível manter um fiscal para cada cidadão ou uma pessoa que passe orientações o tempo todo. É primordial que as pessoas não subestimem a letalidade da covid-19. Ela é uma doença traiçoeira, cujo transmissor não sabemos onde está, e que mata pessoas. Por isso, vamos insistir na preservação da vida. Como temos limites na ampliação de estrutura hospitalar e serviços médicos, assim como não controlamos a oferta de vacinas, vamos insistir na prevenção. Esperamos contar com todos.