Início Bancada Tucanos criticam base governista e pedem rapidez em investigação sobre falcatruas na...

Tucanos criticam base governista e pedem rapidez em investigação sobre falcatruas na Petrobras

15084992788_aa5b11005a_zDiante do silêncio do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa na audiência desta quarta-feira (17) da CPI Mista que investiga a estatal, deputados do PSDB defenderam que sejarapidamente pedido ao Supremo Tribunal Federal (STF) acesso ao conteúdo dos depoimentos prestados por Costa sob regime de delação premiada.

 O presidente da comissão, senador Vital do Rêgo (PMDB/PB), avisou que irá pedir uma reunião com o presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski, para a próxima terça-feira (23) com essa finalidade.

“Enquanto a delação não chegar ao Congresso, praticamente essa CPI mista nada poderá fazer”, afirmou o líder do PSDB na Câmara, Antonio Imbassahy (BA). “Só assim poderemos avançar e oferecer à sociedade brasileira os esclarecimentos necessários”, acrescentou.

 O deputado condenou a conduta da presidente Dilma Rousseff, que tenta se manter distante dos escândalos que envolvem a companhia. “A presidente fracassou ao dirigir a Petrobras. Com isso demonstrou sua incapacidade para presidir o Brasil.”

 Imbassahy criticou ainda o empenho da base governista em dificultar as investigações. Numericamente superior à oposição no colegiado e no Congresso, ela impediu que a reunião com o ex-diretor fosse sigilosa.

 “O PT e o Palácio do Planalto trabalham de maneira explícita para impedir o funcionamento dessa CPI mista”, disse o tucano. “Não pode é, depois de o PT, o Palácio do Planalto e a presidente Dilma terem permitido esse assalto da Petrobras, nada acontecer. Isso é impunidade.”

 PERDA DE TEMPO – Titular do PSDB na CPI mista, o deputado Carlos Sampaio (SP) pediu a Vital do Rêgo que a reunião com Lewandowski fosse realizada ainda esta semana.

 “Dar agilidade a essa investigação é atender a um sentimento da nação. O Brasil tem direito de saber quem são essas pessoas antes das eleições”, argumentou. “Faço uma súplica a Vossa Excelência que não joguemos essa reunião para a próxima terça-feira, porque perderemos mais sete dias. Temo que não tenhamos condições de mostrar ao Brasil o nome dos envolvidos.” O senador peemedebista não atendeu às manifestações do tucano.

 Para Sampaio, Dilma “movimenta sua base aliada para impedir que tenhamos as informações necessárias”. “Ela quer saber quem vazou informação contra seus aliados em vez de querer saber quem roubou a Petrobras”, disse o parlamentar, que também reprovou a mobilização dos partidos aliados ao PT para não permitir a realização da sessão secreta. “Exatamente os partidos denunciados pela revista “Veja” como envolvidos no esquema de corrupção votaram contra a audiência sigilosa. Porque efetivamente tinham receio de que Paulo Roberto falasse parte daquilo que sabia ou o todo.”

 De acordo com o deputado Izalci (DF), a presidente é “conivente e incompetente” ao dizer que desconhecia os malfeitos na Petrobras. “É inadmissível ela dizer neste momento que não sabia, que não participou e que agora quer apurar os vazamentos”, destacou.

No final da reunião desta quarta, os integrantes da comissão aprovaram a convocação de Meire Poza, ex-contadora do doleiro Alberto Youssef, e um requerimento que pede a cópia dos depoimentos prestados por ela à Polícia Federal e ao Ministério Público.