Início Saiu na imprensa Alckmin rebate Haddad e critica ‘baixeza eleitoral’ do PT em SP

Alckmin rebate Haddad e critica ‘baixeza eleitoral’ do PT em SP

Ele reagiu às declarações do petista, pré-candidato a prefeito, e disse que ‘não tem nenhum centavo do PT’ em metrô

18 de maio de 2012 | 3h 01
O Estado de S.Paulo

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) reagiu ontem com dureza às críticas sobre a gestão estadual nos transportes feitas pelo pré-candidato a prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), logo após o acidente do metrô. Alckmin afirmou que não transformaria “acidente em briga política” e que a atitude do PT é de “muita baixeza” e “eleitoreira”.

“Lamento profundamente que a política venha para essa baixeza eleitoral”, afirmou o governador. Segundo ele, o PT está querendo “tirar uma casquinha” do acidente. “Não tem nenhum centavo do PT em metrô e trem de São Paulo. Só tem crítica e aleivosias como essa. Hoje temos investimento recorde no metrô.”

Haddad disse que a administração tucana foi “um fracasso retumbante”. “Não é pecado o administrador se equivocar, como é o caso, mas ele tem de, no mínimo, admitir que no caso dos transportes tivemos um fracasso retumbante nos últimos oito anos”, afirmou anteontem.

Ontem, ele não comentou as afirmações de Alckmin. O vereador Chico Macena, líder do PT na Câmara, disse que o governador é quem está politizando o assunto para “desviar a atenção de um problema real”.

Sobre a questão dos investimentos do PT no metrô, Macena afirma que foi culpa do governo estadual, que não inscreveu nenhum programa metroferroviário para receber verbas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). “E, quando apresentou projeto, como no caso do Rodoanel, teve investimento (do governo federal).” Segundo ele, as críticas vêm sido feitas muito antes do acidente do metrô. O assunto, que já havia sido eleito pelos petistas como principal alvo durante a pré-campanha, agora deve ganhar mais espaço nos discursos de Haddad.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

*