Início Saiu na imprensa Bruno Covas: ‘Não faço uma carreira em cima do antipetismo’

Bruno Covas: ‘Não faço uma carreira em cima do antipetismo’

Depois de “herdar” a Prefeitura de São Paulo em 2018, com a saída de João Doriapara disputar (e vencer) a eleição ao governo do Estado, Bruno Covas começa a construir uma narrativa própria para se candidatar à reeleição em 2020. Enquanto o presidente Jair Bolsonaro e mesmo o atual governador mantêm um discurso que recusa aproximação com a esquerda e o PT, Covas tem procurado se apresentar como moderado e conciliador. “Divirjo de atitudes que o PT teve, mas isso não significa que eu vá fazer um discurso de ódio”, disse ele ao Estado. “Não faço uma carreira em cima do antipetismo.” Ainda segundo ele, o PSDB não pode mais adiar uma decisão sobre o deputado Aécio Neves, réu na Lava Jato. Covas defende a expulsão do correligionário. A seguir, os principais trechos da entrevista:

O sr. defendeu a expulsão de Aécio Neves do PSDB. Teme que a permanência dele no partido possa prejudicar sua campanha à reeleição no ano que vem?

Não tenho bola de cristal, mas prejudicou em 2018. Não tenho a menor dúvida que o resultado abaixo do esperado do PSDB foi por dois motivos. O partido não conseguiu se expressar e mostrar para a população o que pensa. O partido quer governar o País para fazer o quê? O segundo motivo foi ter enfrentado questões como a do Aécio Neves. Não sei se o que aconteceu em 2018 vai se refletir em 2020, mas o partido já apanhou por causa disso.

Leia a íntegra AQUI