Início Bancada Aliados do presidente planejam ato em SP para tirar foco da gestão...

Aliados do presidente planejam ato em SP para tirar foco da gestão Bolsonaro

Com apoio público de um irmão do presidente Jair Bolsonaro, um ativista partidário tenta organizar um ato contra o Governo de São Paulo neste sábado (1º), Dia do Trabalhador. Candidato derrotado a deputado federal em 2018 pelo PROS, Jackson Vilar da Silva é investigado por incitar violência contra guardas civis metropolitanos, injúria e infração contra medida sanitária. Ele também já foi acusado de estelionato em 2017 e condenado por calote de R$ 55,6 mil em pagamento de material de campanha eleitoral.

O ato convocado pelo ativista não passa de uma cortina de fumaça para os reais motivos dos atuais problemas da população: a inépcia do Governo Federal em enfrentar a pandemia da COVID-19 de maneira minimamente responsável. Prova disso é que Renato Bolsonaro, irmão do presidente da República, também fez um vídeo convocando apoiadores para participar dessa pseudomanifestação.

O Palácio do Planalto negou a gravidade da pandemia quando o coronavírus chegou ao Brasil; comprou e incentivou o uso de medicamentos sem eficácia contra a COVID-19 e que ainda podem provocar efeitos colaterais graves, levando à necessidade de transplante ou morte em alguns casos; foi e é contra medidas de distanciamento social e restrição de circulação para reduzir o contágio; e, mais grave, se recusou a comprar 130 milhões de doses de vacinas contra a COVID-19 em 2020.

O combate à pandemia deve priorizar o desenvolvimento e a aquisição de imunizantes, exatamente como fez o Governo de São Paulo desde julho de 2020 e culminando no início da campanha de vacinação em 17 de janeiro deste ano.

O ato irresponsável e dissimulado convocado por um agitador político, com apoio explícito de um irmão de Jair Bolsonaro, pretende provocar aglomerações nesta manhã na avenida Paulista, atitude contrária a todas as medidas sanitárias imprescindíveis em uma pandemia. Depois, a intenção de Vilar e seus seguidores negacionistas é seguir até o entorno do Palácio dos Bandeirantes, onde pretendem acampar.