Início Na imprensa Revista “The Economist” critica o resultado do primeiro leilão do pré-sal

Revista “The Economist” critica o resultado do primeiro leilão do pré-sal

Mais uma vez, o Brasil é assunto da revista britânica “The Economist”. O artigo, que está na nova edição da revista, fala sobre o primeiro leilão do pré-sal e diz que saiu barato. O leilão, realizado na segunda-feira, terminou com um lance único – o que, para a Economist, mostra a fraqueza do modelo do governo para desenvolver as suas reservas.

A revista diz ainda que a falta de competição foi uma decepção após a euforia de seis anos atrás, quando o presidente Lula descreveu o pré-sal como um bilhete premiado da loteria. Nesse período, a situação teria mudado por diversos fatores como a revolução do xisto nos EUA que, segundo a Economist, retirou do pré-sal o título de perspectiva energética mais importante do mundo. “Se tivéssemos leiloado libra em 2008, a gente já estaria produzindo o primeiro barril de petróleo agora, e não em 2019 e 2020. Então, a gente tem que ter atenção porque essa revolução energética que está passando muito pode tirar rentabilidade do petróleo do pré-sal”, diz Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura.

Continue lendo a matéria aqui.